Edição Atual

Cadastre-se para ler GRATUITAMENTE a nova edição da Revista Winner ABC, e fique por dentro de tudo o que acontece no mundo do tênis.

O JOGO POR EQUIPES

Na matéria de capa desta edição, Marcelo Demoliner defende a organização de mais eventos por equipes. Nas palavras do duplista, um dos três brasileiros consolidado entre os melhores do mundo no tênis, “nesse tipo de competição se aprende valores e outros fatores que nos torneios individuais não têm, tais como o espírito de equipe e a busca de um objetivo em comum”. O depoimento de Demo se fortalece com o sucesso da última Laver Cup (como esquecermos das conversas ao pé do ouvido entre Roger Federer e Rafael Nadal), assim como, em cenário local, da 1ª edição da Copa Natu’s Inter Equipes – que lançou o tênis do ABC a um novo patamar.

O jogo por equipes deveria reclassificar as características da modalidade, vista e falada como individualista com certa dose de razão. Se o calendário fosse repleto de campeonatos com o formato de uma Laver Cup, por exemplo, a pressão e cobrança por resultados poderia ser dividida e amenizada, talvez reduzindo a predisposição para se disseminar a depressão no tênis, tema do nosso quadro saúde.

Com o formato por equipes, a Copa Natu’s estimulou o respeito e união entre os participantes, que vivenciaram uma experiência com o tênis em clima de confraternização. O espírito coletivo ficou nítido até na postura dos atletas em disputar o último set mesmo com o confronto definido.

A despeito dos 26 parceiros diferentes nesses dois últimos anos, foi com essa pegada que Demoliner conseguiu obter vitórias e se firmar entre os tops do mundo nas duplas. Aqui fica o convite para a leitura da matéria de capa que traz uma história deliciosa de Demo com a sensação russa Daniil Medvedev, que só evoluiu o jogo de rede com a ajuda do brasileiro. Afinal, como diz Demo, para se sair bem nos confrontos por equipes no estilo de uma Copa Davis é necessário o tripé empatia, companheirismo e liderança.

É o pensamento em conjunto, com nomes importantes do tênis envolvidos, que faz a Copa Winner Infantil chegar ao ponto de ter uma transmissão ao vivo por um canal de TV.

No fim, todo o nosso conteúdo só sai do planejamento para o papel dessa maneira, com cabeças atuando de forma coordenada e as pautas se justificando pela eficácia de um trabalho em equipe, como dos tenistas da região que já se transformam em espelho para crianças, sem falar da forma integrada de se analisar o tênis presente nas colunas dos competentes André Lima e Ricardo Coelho.

E tem muito mais nessa edição da Winner, muito mais. Seguimos juntos, combinado?

Boa leitura.

EQUIPE WINNER