Psicologia é fundamental para o tenista desenvolver seu jogo e a confiança durante partidas e também treinos

A cada disputa realizada no tênis o fator psicológico ganha destaque. Inúmeras partidas são decididas cada vez mais no detalhe mental do que em golpes, bons saques ou direitas vencedoras. Se a estratégia tática, a técnica apurada e o físico vigoroso são diferenciais, tão importante quanto – ou até mais – é a psicologia, a força da mente para se manter firme nos treinamentos ou ainda mais para se superar durante as competições.

“A relevância de aspectos da psicologia do esporte para o tênis se dá em função de o mesmo ser um esporte solitário, estimulando o atleta a estar rodeado de pensamentos, com fundo destrutivo, os quais são mais valorizados pela natureza humana, influenciando o estímulo do medo, abalando a autoconfiança e tornando-a cada vez mais fraca. É então onde se perde o foco do adversário, situação crítica e decisiva para o desempenho do atleta”, resumiu bem o professor e doutor em psicologia clínica e desportiva Heitor Cozza, que é licenciado em educação física e pedagogo orientador da academia Juninho Tênis de Santo André e do Tênis Clube São Bernardo.

O especialista cita a contribuição do controle emocional por meio de diversas técnicas para evitar devidos pensamentos e trazer o diferencial para dentro de quadra. “Esses são os chamados pensamentos automáticos, previstos na psicologia cognitiva, uma das abordagens usadas pela psicologia do esporte, auxiliando o atleta na modulação da mente para as ações motoras do tênis.”

Este controle da mente, tão importante nos momentos bons, quanto nos ruins, pode e deve ser desenvolvido desde os jogadores jovens até os mais experientes.

“A Psicologia do Esporte vem por meio do treinamento das habilidades psicológicas favorecer a aceleração desenvolvimento pessoal através de aprendizagem de técnicas que são subjetivas e não valorizadas, como pensamentos, sentimentos e emoções, desvalorização essa existente por vivermos num mundo material circundado por aspectos objetivos”, comentou.


AUTO REGULAÇÃO

Manter o foco, evitar a ansiedade e equilibrar a confiança são pontos definitivos para o sucesso dentro de um embate no tênis. Somar todos estes tópicos é que traz a dificuldade.

“A auto regulação é fundamental no ambiente esportivo, principalmente em situação pré-competitiva, chamada de ativação, ou seja, é um meio termo que dará ao atleta a dose certa de fatores psicofísicos para o início da competição, mais especificamente na prática do controle de pensamentos e respiração. Essa técnica visa manter a atenção apenas no adversário, evitando que elementos de distração próximos à quadra sejam notados, mantendo o tenista única e exclusivamente ligado no próximo rali, mesmo estando ganhando ou perdendo, através de tal método, não existirá nada além do game ou set e até mesmo o próximo jogo, ainda que haja a possibilidade de um próximo não ocorrer no torneio em questão”, explicou.

A ansiedade, por exemplo, é um fator que se não for controlada pode se tornar patológica. Já a concentração se resume na capacidade de manter a atenção sem flutuação, ou seja, evitar que qualquer situação externa tire o foco do jogo. É importante para todas as idades, mas possui influência maior nos atletas jovens ou até mesmo naqueles que estejam querendo ajudar, como os pais, companheiros e até mesmo a torcida a favor, além do próprio adversário muitas vezes com malícias que tiram a atenção. “Nenhum fator é mais importante que a perda do controle emocional, encadeando ações extremas e frequentes, como raquetes jogadas ao chão ou isolamento de bola em situações desfavoráveis, tendo também como consequência o desvio da atenção por meio dos pensamentos automáticos.”

Psicologia no Tênis
Foto: GoodMoodPhoto

No campo da confiança, o excesso ou a falta podem “derrubar” qualquer atleta. O equilíbrio é o ponto a ser encontrado, ainda mais em um jogo entre apenas duas pessoas. “Buscar equilíbrio para ter confiança real é, em princípio, ter objetivos claros, como executar as tarefas até o final, criar desafios não dando importância aos erros, que fazem parte do jogo, e se auto estimulando na busca de regularidade e assertividade. A confiança é aprimorada no decorrer do desenvolvimento por meio de um ambiente favorável e orientações seguras, como a dos pais, professores e técnicos que auxiliarão nessa construção”, argumentou Cozza.

Resumindo, o professor e doutor classifica como a força interior/mental um conjunto de habilidades cognitivas e emocionais que facilitam o indivíduo como um todo para terem respostas rápidas às resoluções de situações adversas como raciocínio ou ações motoras.

“Para o atleta de tênis, essas habilidades desenvolvidas serão de grande importância por ser um esporte intervalar, ou seja, uma jogada (rali), bola ao ar e em seguida bola ao chão, apresenta entre seus intervalos o resultado do erro ou acerto, devendo, na necessidade, mudança de estratégia. É nesse pequeno intervalo que os resultados podem ser alterados, portanto, sendo essas algumas das habilidades que compõem a força interior, sua importância é relevante uma vez que o tempo de processamento será determinante, sendo um período onde alguns possuem mais facilidades e enquanto outros poderão ser treinados para melhorá-las”, concluiu.

“PERDEMOS POR NÃO TERMOS CABEÇA”

Esta frase acima é bastante comum dentro do tênis, mesmo entre os campeões. Para a evolução do atleta, o técnico tem papel fundamental neste processo, e também precisa estar por dentro do mundo mental.

“O psicólogo é peça fundamental na integração do trabalho do treinador exatamente por ainda não ser comum no ambiente esportivo, enquanto o preparador físico e fisioterapeuta já estão inseridos no meio, e a psicologia só vem a ser lembrada depois da perda de uma final em torneios importantes. A boa integração do técnico para com a psicologia é importante para que se entenda o trabalho de preparação psicológica, que deixa ao conjunto de treinamentos do atleta a possibilidade de resoluções de defeitos e deficiências que são do mundo interior do indivíduo, não aparecendo nos treinamentos mecânicos em quadra”, definiu.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Por favor deixe seu comentário!
Por favor preencha seu nome